Publicações: João Marcos Nunes

O Instituto Antônio Conselheiro, acompanhou (23-04) a assinatura do instrumento de repasse referente a liberação de recurso do Plano de Investimento (PI) da Associação Comunitária dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Araças, esta Associação abrange as comunidades de: Araças, Baixa Verde e Corcundo no município de Ipueiras. O ato foi acompanhado pelo Técnico do IAC, Ednaldo Sousa, onde o presidente da associação, Senhor Luiz Alves de Lima, assinou o instrumento. O Plano de Investimento atenderá 50 famílias das 3 comunidades acima citadas. Esse repasse implicará no apoio ao estabelecimento e fortalecimento de iniciativas produtivas, comunitárias e familiares, aumentando suas capacidades e habilidades para desenvolver negócios rurais, levando em conta a adoção e promoção de práticas agroecológicas e o manejo sustentável de recursos naturais. Fomentar o desenvolvimento produtivo sustentável que incremente a produtividade das atividades (agrícolas e não agrícolas) desenvolvidas nas comunidades e unidades familiares, gera oportunidades de renda e trabalho. As atividades produtivas apoiadas pelo PI são diversas, levando em consideração a pluralidade e potencialidade das comunidades, entre as atividades produtivas podemos destacar: quintais produtivos mantidos por sistemas de reúso de águas cinzas, suinocultura associada a biodigestores, criação de ovinos, irrigação sustentável, extração de óleo do coco babaçu, etc. O Projeto de Desenvolvimento Produtivo e de Capacidades – Projeto Paulo Freire, é fruto do acordo de empréstimo I-882-BR/E-17-BR entre o Governo do Ceará e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (FIDA). e vai beneficiar 5.250 famílias de 152 comunidades dos 31 municípios atendidos pelo Paulo Freire. O Instituto Antônio Conselheiro irá executar o projeto em 69 comunidades rurais da região de Sobral 2, beneficiando 2.700 famílias.
Leia mais
O Instituto Antônio Conselheiro (IAC) realizou no município de Quixeramobim, o “Encontro de capacitação de Pedreiros do Projeto Uma Terra, Duas Águas (P1+2) em parceria com a Articulação Semiárido Brasileiro (ASA), financiado pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES). O evento reuniu 21 pedreiros dos municípios de Quixadá, Horizonte, Itatira, Madalena, Senador Pompeu, Choro, Capistrano, Ibaretama e Quixeramobim. O objetivo do encontro foi apresentar o projeto P1+2, aperfeiçoar e qualificar os conhecimentos dos pedreiros que possuem um papel bastante significativo para a construção das tecnologias sociais. Na capacitação foi feito o resgaste dos projetos que o IAC já executou e os impactos gerados nas vidas das famílias e suas comunidades. Em caráter metodológico, foi apresentado as condições técnicas importantes para a execução do projeto, bem como foram elencados alguns pontos a serem rearticulados para que a implementação das tecnologias sejam bem-sucedidas. O pedreiro Antônio Carlos Belarmino da comunidade Lagoa de São Miguel destacou que momentos como estes são importantes para uma maior compreensão sobre a parte estrutural das tecnologias. “Quando a gente está construindo, é importante ter atenção com os detalhes e fazer com que a cisterna funcione bem”. O IAC está executando o projeto P1+2 nos municípios de Quixeramobim e Quixadá e irá beneficiar 200 famílias com a instalação de tecnologias para desenvolvimento de quintais produtivos e práticas agroecológicas.
Leia mais
O Instituto Antônio Conselheiro (IAC) , realizou (06/04 e 07/04), no município de Ipu, o “Encontro de Formação e Capacitação em Gênero e Feminismos no Semiárido. O encontro reuniu cerca de 40 funcionários, sendo 12 mulheres e 28 homens que compõem a equipe técnica, auxiliares, coordenação e gerentes financeiros do IAC. A formação iniciou com uma mística de acolhimento que foi facilitada por Francisca Sena do projeto Paulo Freire que também conduziu pelos dois dias o encontro. Após a realização deste momento, foi lido o poema “Antítese”, uma herança da literatura periférica cuja a autoria é de Jenyffer Nascimento, fazendo um recorte sobre a violência que milhares de mulheres sofrem todos os dias, vindas de vários lados da esfera social. Foram levantados alguns questionamentos acerca dos temas: “Como você se tornou mulher? e Como você se tornou homem?”. Sena, (facilitadora da formação) ilustrou situações que mulheres e homens incorporam para a construção social de suas identidades, levando também em consideração de que o sexo em linhas gerais definido biologicamente também é resultado de construção social. Partilhou conosco como isso acontece em outros países, dando exemplo dos rituais de iniciação que em alguns países do continente africano representam marcos na construção de mulheres e homens adultos, práticas diferenciadas daquelas vivenciadas nas Américas. A partir dessas reflexões, voltamos nosso olhar para o semiárido, colhendo as experiências de vida para compreender como essas construções acontecem em nossa realidade. Constatamos que a implantação de políticas públicas para boas práticas com o semiárido a exemplo os projetos que o Instituto executa com foco no papel da mulher, possibilitou uma mudança no cenário atual, as empoderando e garantindo espaço de atuação, bem como a segurança alimentar de sua família e sua comunidade. Juan Carlos Silva, técnico de campo do IAC, enfatizou que a realização de formações em gênero são muito significativas para uma maior compreensão da importância do papel da mulher na agroecologia. “Esses momentos nos ajudam a entender mais o papel de cada um de nós nas comunidades e como a presença da mulher em campo é necessário para que inspire outras mulheres”, destacou ele. O Instituto Antônio Conselheiro compreende que a realização de momentos como estes são de extrema importância para um diálogo mais próximo da realidade das famílias e das comunidades, pois a partir destes recortes feitos no coletivo é possível se identificar ações a se reforçar e outras que necessitam serem rearticulados em campo para que o trabalho se torne mais profícuo.
Leia mais